R7: Uso de remédio para dormir cresce 560% em oito anos

Venda da substância zolpidem aumenta em meio a uma queda dos demais ansiolíticos, usados de forma errada por quem deseja pegar no sono.

Fernando Mellis, do R7

As vendas de zolpidem, um poderoso medicamento para dormir, cresceram 560% entre 2011 e 2018 no Brasil, país com 73 milhões de pessoas que sofrem de insônia, segundo a Associação Brasileira do Sono.

Foram compradas 11,4 milhões de caixas de zolpidem no ano passado, um recorde. Foto: Edu Garcia/R7

Apenas de 2017 para 2018, a alta foi de 33,5%. Os dados são de um levantamento exclusivo feito pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a pedido do R7.

O zolpidem aparece como o terceiro medicamento mais vendido em 2018 no levantamento, que inclui oito drogas psicotrópicas.

O aumento do consumo do zolpidem ocorre em meio a uma queda de outros medicamentos tradicionalmente usados, incorretamente, por quem tem problemas para dormir: os benzodiazepínicos, ou ansiolíticos.

“Os benzodiazepínicos não são hipnóticos, não induzem ao sono. São relaxantes musculares, ansiolíticos, amnésicos e geram dependência”, explica a presidente da Associação Brasileira do Sono, a médica neurologista Andrea Bacelar.

Diretriz da AMB (Associação Médica Brasileira) alerta que “os benzodiazepínicos costumam perder o efeito sobre o sono ao longo do tempo, sendo ineficazes para o tratamento da insônia crônica, além de levar a alterações da arquitetura do sono”.

Chamados de Z-hipnóticos, medicamentos como o zolpidem surgiram nos anos de 1990 para tratar quadros de insônia, como uma alternativa aos benzodiazepínicos. A grande vantagem divulgada pelos fabricantes sempre foi o menor efeito rebote e o baixo risco de dependência.

O zolpidem foi criado na França em 1988 e ganhou notoriedade em meados da década de 1990, quando foi aprovado nos Estados Unidos com nome comercial de Ambien.

No Brasil, o medicamento tem a venda autorizada desde 2007, com nome de referência de Stilnox, produzido pelo laboratório Sanofi-Aventis.

O clonazepam, vendido sob o nome de referência Rivotril, é até hoje o medicamento mais consumido entre os ansiolíticos. Por ter como efeito colateral a sonolência, é usado de forma incorreta para pegar no sono.

Mas as vendas de clonazepam e outros ansiolíticos têm caído ano após ano desde 2015, enquanto as de zolpidem aumentam.

“Eu vejo uma migração quase que direta do clonazepam [benzodiazepínico] para o zolpidem. Isso é positivo por um lado, mas não significa dizer que a gente precise utilizar tanto zolpidem assim”, diz Andrea.

Sabrina Cessarovice/Arte R7

Abuso

Até mesmo o zolpidem não é indicado como solução para o tratamento da insônia. Acreditava-se, na comunidade médica, que ele não causaria dependência, mas hoje já se observa o contrário, relata a neurologista.

“Já temos muitas publicações mostrando o abuso dessa substância [zolpidem], que nos preocupa muito. Aumenta a chance de depressão, de ideias suicidas…”

O medicamento está associado, ainda que em casos mais raros, com parassonia, que são comportamentos anormais, como sonambulismo, ou pesadelos.

A própria bula do Stilnox alerta para os riscos….

Leia mais em: https://noticias.r7.com/saude/uso-de-remedio-para-dormir-cresce-560-em-oito-anos-03072019

Leia também: Brasil consome 56,6 milhões de caixas de calmantes e soníferos

Fonte: R7.com

Creative Commons License AttributionRepublish

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Nosso conteúdo

Como forma de respeito a todos os conteudistas e leitores, referenciamos nossas fontes de informação colocando seus links. Além disso, sabemos que isso facilita as pesquisas de estudantes, professores, pesquisadores, empreendedores, profissionais e, dessa forma, o ecossistema se fortalece como um todo. \o/
Licença de uso
CC BY

Utilizamos a licença Creative Commons CC-BY (Atribuição 4.0 Internacional), ou seja, resumidamente, qualquer um pode:

Compartilhar: copiar e redistribuir o conteúdo de nossas postagens em qualquer meio e formato;
Adaptar: editar, remixar, transformar, e construir a partir de nossas postagens com qualquer propósito, até mesmo comercial.

Sob o seguinte termo:

Atribuição: ao utilizar (compartilhar/adaptar) o conteúdo de nossas postagens, seja para encontrar novas fontes de conteúdo, o responsável deve dar os devidos créditos ao nosso canal, referenciando-o com o link para o material consultado.

Essa licença está entre as mais abertas e é aprovada pelo Free Cultural Works, ou seja, é uma licença que está de acordo com as liberdades essenciais de uso, compartilhamento e edição de conteúdo

License

Creative Commons License AttributionCreative Commons Attribution
R7: Uso de remédio para dormir cresce 560% em oito anos